Principal Artigos Como Comprar Quem somos Links Contato Atualizar cadastro
Procurar

Catálogo
Novas Adições (42)
Canetas Reservadas e Vendidas (49)
Catálogos (3)
Desk Sets e Dip Pens (3)
Esterbrook (17)
Faber-Castell (10)
Faber-Castell - Lapiseiras (18)
Faber-Castell - Duos (5)
Faber-Castell - Esferos (29)
Lapiseiras - Minas - Outros (4)
Lapiseiras PRO - 2,0mm (6)
Lapiseiras PRO - 5,6mm (8)
Lapiseiras Profissionais (16)
MontBlanc (8)
Outras (48)
Parker 51 (30)
Parker 21, 41 e 45 (34)
Parker Duofold (30)
Parker 61, 65 e 75 (25)
Parker Jotter e Esferos (27)
Parker Outras (63)
Parker Vacumatic (31)
Pelikan (13)
Sheaffer Anos 20 e 30 (15)
Sheaffer pós 1940 (26)
Sheaffer Snorkel (11)
Waterman (18)

Adicione este site aos Favoritos

Notícias

Leia na Seção Artigos: A tinta para canetas-tinteiro
Outras Notícias

Carrinho de Compras


Cadastro
Checar Pedido

Artigo

A Caneta Esterbrook

A Esterbrook foi uma caneta feita para ser acessível a todos. Bonita, barata, robusta e de muito fácil manutenção. A sua pena pode ser facilmente trocada por outra, sem a necessidade da intervenção de gente especializada. A operação de troca é muito simples: basta desrosquear uma pena e rosquear a outra e ela está pronta para cumprir seu papel. Como a parte mais sensível e sujeita a quebras de uma caneta é sua pena, representando mais de 70% dos problemas que podem ocorrer, a Esterbrook percebeu que essa facilidade de manutenção a ajudaria a comercializar suas canetas para um público muito grande que precisava contar com uma boa caneta e preço baixo.
 
 
A sua propaganda era feita como sendo: “A caneta que tem a pena certa para a forma que você escreve” . Isso realmente era uma verdade, pois o cliente podia testar diversos tipos de penas e diversos modelos de caneta e escolher aquilo que melhor se adaptava à sua mão e à sua maneira de escrever.
 
 
1 - As Penas da Esterbrook
 
A Esterbrook quando entrou para valer no mercado americano de canetas-tinteiros já contava com uma experiência de mais de 60 anos na fabricação de penas de aço. Foi a pioneira nos Estados Unidos neste ramo, detinha a tecnologia necessária e era líder de mercado.
 
 
Ao longo do tempo, a Esterbrook disponibilizou no mercado 33 tipos de penas. Todas as penas eram numeradas, com quatro algarismos, que indicavam o tipo da pena e o seu uso, facilitando ao cliente guardar na memória o número da pena que gostava. Isso era bom para o comerciante e para o usuário que não perdiam tempo procurando a pena adequada. Essa numeração começou com as séries 1.000 e 2.000 usando aço e ponta de Duracromo sólido. Por um curto período de tempo, começando em 1938 a Esterbrook produziu também a série 3.000 de aço com a ponta da pena em Osmiridium. Têm um design fantástico chamado de “sunburst”, dando a idéia de raios de sol. A produção da série 9.000 começou em 1940 e como na série 3.000 as penas tinham a ponta em Osmiridium, que apresentaram melhor performance e durabilidade que as penas padrão. Foram chamadas de Duracromo “Master”, para usos especiais e em 1955 eram vendidas por $ 0,85 enquanto as penas Duracromo sólido eram vendidas por $ 0,35. Durante a II Guerra Mundial, a Esterbrook lançou a série 8.000 de ouro 12 quilates com liga de Paládio, visando a conservação de materiais críticos usados na Guerra.
 
1.1 - As Penas das Séries 1.000, 2.000, 3.000 e 9.000
 
A foto a seguir mostra uma pena de cada série. Da esquerda para a direita a 1555 Gregg firme fina, indicada para taquigrafia; a 2668 média indicada para escrita em geral; a 3968 firme grossa, indicada para caligrafia e a 9314-F que é fina stub indicada para escrita em relevo. A característica das penas stub é apresentar um traço mais grosso na vertical do que na horizontal. 
 
 
 
 
1.2 - A Pena da Série 8000
 
 
A foto a seguir mostra a pena 8440 que é firme extrafina, indicada para escrituração contábil. Observe que o preço era de US$ 2.50 por volta de 1943. As penas da série 8000 são bastante raras e foram feitas apenas em 5 bitolas diferentes e em um período curto de tempo. 
 
 
 
 
1.3 - Identificação das Penas da Esterbrook
 
 
Pode ser que existam mais outros tipos de penas que não são relatadas neste artigo, mas fundamentalmente são os seguintes os tipos mais conhecidos e seus respectivos usos:
 
NÚM.Tipo de Pena - Uso
1314 Flexível Stub - Social e Manuscritos
1461 Rígida Fina - Múltiplas cópias
1550 Firme Extrafina - Escrituração Contábil
1551 Firme Média - Estudantil
1554 Firme Fina/Média - Clerical
1555 Firme Fina - Taquigrafia
1556 Firme Fina - Escrita fina
2048 Flexível Fina - Escrita Sombreada
2128 Flexível Extrafina - Escrita Sombreada
2284 Grossa Assinatura – Canhotos
2312 Média Itálica
2314B Relevo Grossa - Stub
2314F Relevo Fina Stub
2314M Relevo Média - Stub
2442 Falcon fina, média ou grossa do tipo Stub - Backhand
2450 Firme Extrafina - Escrituração Contábil
2460 Rígida Média - Múltiplas cópias
2461 Rígida Fina - Múltiplas cópias
2464 Rígida Grossa - Múltiplas cópias
2550 Firme Extrafina - Escrituração Contábil
2555 Firme Fina - Taquigrafia (Gregg)
2556 Firme Fina - Escrita fina
2668 Firme Média - Escrita geral
2788 Flexível Média - Escrita sombreada
2968 Firme Grossa - Escrita geral
3550 Firme Extrafina - Escrituração Contábil
3556 Firme Fina - Escrita fina
3668 Firme Média - Escrita geral
3968 Firme Grossa - Caligrafia
8440 Firme Extrafina - Escrituração Contábil
8550 Firme Extrafina - Escrituração Contábil
8556 Firme Fina - Escrita fina
8668 Firme Média - Escrita geral
8996 Firme Média - Escrituração Contábil
9048 Flexível Fina - Escrita sombreada
9128 Flexível Extra
9284 Assinatura - Stub
9312 Itálica Média
9314B Relevo Grossa Stub
9314F Relevo Fina Stub
9314B Relevo Média Stub - Correspondência Social
9450 Firme Extrafina - Escrituração Contábil
9460 Rígida Média - Múltiplas cópias
9461 Rígida fina – Múltiplas cópias
9550 Firme Extrafina - Escrituração Contábil
9555 Firme Fina - Taquigrafia
9556 Fina - Registro e Desenho
9650 Média - Múltiplas cópias
9668 Firme Média - Escrita geral
9788 Flexível Média - Escrita sombreada
9968 Firme Grossa - Caligrafia
 
 
2 - A Esterbrook Flat-Top ou V Clip
 
Por volta de 1933 a Esterbrook começou a comercializar canetas feitas de plástico, abandonando em parte a até então usada ebonite ou borracha endurecida (Hard Rubber). Essa caneta era do tipo “flat-top” , ou seja, tem os extremos retos. O clipe é de cromo prateado e cobre todo o topo da tampa descendo por esta como uma alongada letra “V”. No topo da tampa traz gravada a palavra Esterbrook. São encontradas em 4 cores: preta, vermelha (Morocco Red), verde (Foliage Green) e cinza perolizado (Pearl Gray). Mede 127mm de comprimento, 13,5mm de diâmetro na tampa e 12mm no corpo. Na foto a seguir é mostrada essa caneta na cor preta. 
 
 
 
Uma visão do clipe é mostrada a seguir. Repare que a palavra Esterbrook é escrita em ângulo, com letras pequenas, diferentes da Dollar Pen, conforme será vista no item sobre esse modelo. 
 
 
 
Ainda em 1933 a Esterbrook lançou em ebonite preta e em plástico uma versão um pouco menor da V Clip que é chamada de Lady. Mede 125mm de comprimento e 12,5mm de diâmetro na tampa e 11mm no corpo. No topo da tampa traz a palavra Esterbrook escrita não mais em ângulo, mas reta. No corpo em itálico está escrito: R. Esterbrook & Co e Made in USA na vertical. A V Clip foi descontinuada em 1934, pois apresentava problemas de quebra do clipe tendo em vista que não dava a este a flexibilidade necessária, pois era firmemente preso ao topo da tampa.  
A seguir uma foto dessa caneta em plástico. 
 
 
 
3 - A Esterbrook “Dollar Pen”
 
 
O primeiro anúncio da “Dollar Pen” foi feito em 1935 e parece que a caneta vendida por 1 dólar era na cor preta. As outras nas mesmas cores das Flat-Top, eram vendidas a US$ 1.50 e seguiam o design daquelas. Basicamente eram iguais, exceto pelo clipe que era menor e o alongado V foi substituído por dois furos (2 holes). 
Em 1938 nos anúncios da Esterbrook já apareciam as palavras “preta e outras cores”, e as canetas comercializadas por 1 dólar eram em: preto, azul cobalto, cinza, verde feno, vermelho e cobre. Outras quatro cores existiam e eram comercializadas a US$ 1.50: a Morocco Red, a Foliage Green, a Pearl Gray e White Pearl. 
Na foto a seguir são mostradas as Dollar Pen vendidas a US$ 1.50, exceto a Morocco Red. De cima para baixo: a Foliage Green, a White Pearl e a Pearl Grey. 
 
 
 
É uma caneta menor que a Flat-Top, pois mede 123mm de comprimento, 13,5mm de diâmetro na tampa e 12mm no corpo. 
A foto a seguir mostra todas as cores da Dollar Pen, vendidas a 1 dólar.
 
 
 
 
A seguir uma visão do clipe da Dollar Pen. Note que a palavra Esterbrook é escrita com letras um pouco maiores e em linha reta.
 
 
 
 
A Dollar foi fabricada em três modelos diferentes e que são: 
     
  • Standard – medindo 121mm de comprimento, 13,3mm de diâmetro na tampa e 12mm de diâmetro no corpo. 
  • L – Slender – medindo 121mm de comprimento, 12,3mm de diâmetro no corpo e 10,7mm de diâmetro no corpo. 
  • S – Short ou Lady – medindo 112mm de comprimento, 12,3mm de diâmetro na tampa e 10,7mm de diâmetro no corpo

 
 
A seguir uma foto desses 3 modelos, para efeitos de comparação, onde, da esquerda para a direita aparecem a Standard, a Slender e a Lady:
 
 
 
 
 
 
 
3.1 - A Esterbrook “Dollar Pen” Bandless
 
 
Quando os Estados Unidos entraram na II Guerra Mundial em 1942, o Departamento de Estado estabeleceu uma série de restrições ao uso de materiais considerados importantes, como a borracha e o aço. A Esterbrook estava redesenhando a Dollar Pen com um anel de aço diferente, de 2,5mm, em substittuição ao fino de aço, de 1mm, até então usado. Posteriormente esse anel de aço foi usado nas Transicional e J. Essas restrições levaram a Esterbrook a não usar o anel de aço de 2,5mm nas Dollar Pen. Para o mercado foi lançada então uma caneta onde na tampa aparece o lugar deste anel, mas sem o anel, querendo passar ao público que a Esterbrook estava consciente da necessidade de racionalizar o uso de aço. Esse modelo foi chamado de Dollar Pen Bandless. Tem todas as características da Dollar, exceto o anel.
 
A foto mostra uma série dessas canetas, onde da esquerda para a direita: 
     
  • Verde – Standard 
  • Preta – Standard 
  • Azul – Standard 
  • Azul – Slender 
  • Vermelha – Slender 
  • Verde – Short ou Lady

 
 
 
 
 
 
 
3.2 - A Esterbrook Transicional
 
 
Durante a II Guerra Mundial a Esterbrook fabricou uma série de canetas que hoje é conhecida como Transicional. Na realidade o termo transicional se aplica perfeitamente neste caso, pois tratou-se da transição do modelo Dollar Pen para o J. 
Na foto a seguir são mostradas algumas dessas canetas. Note que todas elas têm a extremidade do corpo reta, como as Dollar Pen, mas o clipe já é muito parecido com o da J. 
 
 
 
 
A primeira caneta a esquerda tem uma cor diferente da cinza que se encontra na terceira posição. Esta caneta foi fabricada em 1944 e 1945 e é conhecida como “Visualated” porque permite a visualização do nível de tinta no reservatório através de uma pequena janela transparente existente logo acima da seção. Por isso, sua seção é 4,7mm e sua tampa 3,1mm maiores que os modelos Dollar. Além é claro de sua cor. Veja a seguir uma foto desta caneta.
 
 

 
 
Para efeitos de comparação, são mostradas na foto a seguir, as diversas tampas e clipes, desde a Dollar Pen até a J.  
 
 
 
A primeira tampa da esquerda para a direita é de uma Dollar Pen, a segunda a da caneta cinza referida anteriormente (considerada de transição), a terceira uma tampa de transição (na jóia existem três sulcos e não existe escrito no clipe a palavra Esterbrook) e a quarta uma da J, todas na cor cinza. Clique na foto para vê-la no tamanho natural e poder observar os detalhes.
 
 
Catalogamos 4 tipos diferentes de tampas consideradas de transição mostradas cronologicamente na foto a seguir: 
 
 
 
 
 
Sempre da esquerda para a direita, a primeira tampa (cor de cobre) tem 3 sulcos na jóia e não tem Esterbrook escrito no clipe. 
 
A segunda (cinza) não tem os sulcos na jóia e não tem Esterbrook escrito no clipe. 
 
A terceira (verde) não tem os sulcos na jóia e tem Esterbrook escrito no clipe. Essa tampa foi usada a partir de 1949 nas J. 
 
Em setembro de 2013 catalogamos mais uma tampa de transição, ou seja, a quarta deste modelo. Tem os 3 sulcos na joia e traz escrito Esterbrook no clipe. A foto a seguir mostra: 
 
 
 
 
4 - A Esterbrook Modelo “J” 
 
A imensamente popular modelo “J” foi produzida em diversos tamanhos. De pronto, é difícil identificar a caneta que você está olhando e catalogá-la corretamente. Assim, a idéia aqui é discutir algumas características e tamanhos que possibilitem, quando longe de um paquímetro ou régua, saber qual é o modelo é a caneta.
 
 
Modelo “J” – o maior e mais largo membro da família. Mede 127mm de comprimento, 13,5mm de diâmetro na tampa e 12mm no corpo.
 
As Cores do Modelo "J"  
 
A foto a seguir, mostra as cores da J que conseguimos encontrar ao longo do tempo. Da esquerda para a direita: 
     
  • Preta 
  • Azul 
  • Vermelha 
  • Cobre 
  • Marrom 
  • Azul - Cinza 
  • Cinza 
  • Verde Esmeralda 
  • Verde Feno
 
 

 
 
Pode ser que existam outras cores e variantes de cores dessas canetas, mas essas são as que conseguimos encontrar. 
O único livro editado sobre as Esterbrook: "The Fountain Pens of Esterbrook" , de autoria de Paul Hoban apresenta apenas 6 cores: preta, azul, cinza, vermelha, verde e cobre.
 
 
4.1 - O Modelo “LJ” - mesmo tamanho da “J”, mas mais fino, ou seja, 127mm de comprimento, 12mm de diâmetro na tampa e 11mm de diâmetro no corpo.
 
 
As cores da "LJ"  
A foto a seguir mostra da esquerda para a direita, as cores das canetas LJ que temos em nossa coleção. Falta apenas a cor de cobre para completar as 6 cores em que foram fabricadas: 
     
  • Cinza 
  • Azul 
  • Vermelha 
  • Verde feno 
  • Preta 
  • Cobre - não mostrada
 
 
 
 
 
 
4.2 - O Modelo “SJ” - tem o mesmo diâmetro das “LJ”, mas é mais curta, ou seja ,4,75” de comprimento ou 121mm e 0,42” ou 11mm de diâmetro.
 
 
As cores do modelo "SJ"  
Na foto a seguir, são mostradas as 6 cores conhecidas das SJ, da esquerda para a direita: 
     
  • Cinza 
  • Azul 
  • Vermelha 
  • Preta 
  • Verde 
  • Cobre
 
 
 
 
Manuseando isoladamente a “J” e a “SJ” pode-se realmente enganar. A melhor maneira de se prevenir isso, na falta de régua ou paquímetro, é o tamanho dos anéis que seguram as jóias. Na “J” o anel do corpo é nitidamente menor que o anel da tampa. Na “SJ” os anéis são do mesmo tamanho. 
Na foto a seguir são mostrados os 3 modelos, na cor azul e na sequência da esquerda para a direita: a J, a LJ e a SJ. 
 
 
 
 
5 - Os Modelos Purse “CH” e “H” 
 
A “CH” conta com clipe e a “H” não tem clipe. São sensivelmente menores que qualquer outra caneta Esterbrook, exceto as Dollar Ladys, que são do mesmo tamanho. Em mãos elas parecem mais finas, medindo 112mm de comprimento e 11mm de diâmetro no corpo.  
Essas pequenas canetas são muito procuradas pelos colecionadores e foram feitas em duas séries: uma em cerca de 1950 e as cores eram claras e realmente pode ser chamadas de "pastéis" e a outra em 1957 com cores mais fortes e mais escuras. 
 
5.1 – A Série Pastel
 
 
As cores desta primeira série são mostradas na foto a seguir, onde da esquerda para a direira, aparecem: 
 
     
  • Acqua – branca 
  • Yellow – pastel amarela 
  • Blue – pastel azul 
  • Pink – pastel rosa 
  • Gray – pastel cinza 
  • Orchid - orquídia
 
 
 
 
 
 
 
5.2 - A Série de 1957
 
As cores da segunda série, são as enumeradas a seguir e as cores são mais fortes e foram fabricadas a partir de 1957. 
     
  • Polar White - branca  
  • Aloha Gold - amarela  
  • Peacock Blue - azul 
  • Country Green - verde 
  • Trianon Rose - rosa escuro 
  • Tempo Red - vermelha escuro 
 
Na foto a seguir são mostradas essas canetas. 
Note que as jóias da extremidade do corpo, e do topo da tampa têm a cor da caneta, com exceção da rosa. 
Chegamos a pensar que havíamos conseguido fechar as cores das Purse, mas um grande amigo e colecionador de São Paulo, me mandou uma foto de uma Purse na cor de café com leite (tan).  
Se esta caneta existe, não está relacionada em qualquer literatura sobre as ESterbrook. Vamos esperar para ver! 
 
 
 
 
 
6 - A Esterbrook Médico-Enfermeira
 
 
A literatura existente sobre o assunto é bastante restrita. Assim, muito do que aqui vai é especulação, ou melhor, é a nossa versão. Esse termo Médico-Enfermeira (Doctor-Nurse) é o que achamos mais adequado para descrever esses modelos de canetas apresentados a seguir. Não achamos conveniente chamar apenas de caneta para Médico ou caneta para Enfermeira, uma vez que essa dupla Médico-Enfermeira trabalha em equipe.
 
 
A Waterman em 1927 lançou um conjunto de caneta-tinteiro, lapiseira e caixa para termômetro, em ebonite (Hard Rubber) na cor marfim e chamou este conjunto de Doctor’s Set. Em 1940 lançou outro conjunto de duas canetas-tinteiro, na cor marfim (na realidade essa cor é um amarelo bem claro, perto do branco), cuja diferença fundamental era que a jóia do topo da tampa em uma delas era vermelha e na outra preta. A Waterman chamou essas canetas de Nurse. Paul Hoban chama essas Esterbrook brancas, de Nurse Pens.
 
 
Sem entrar na briga, mas colocando a nossa posição, tanto médicos quanto enfermeiras os principais usuários dessas canetas, para cumprir bem seu papel, deviam usar as duas. A caneta com a jóia vermelha era abastecida com tinta vermelha e a de jóia preta com tinta preta. Como as canetas eram levadas no bolso do jaleco, uma simples olhada era suficiente para tirar a caneta certa. A preta para prescrever e a vermelha para anotar a evolução do tratamento. 
Na foto a seguir são apresentadas três canetas brancas: uma Dollar Pen, a maior, uma caneta para homens (como não tem jóia, era usada com tinta preta) e as modelo Purse, para as mulheres.
 
 
 
 
 
7 – A Esterbrook De Luxe
 
 
A Esterbrook nos meados da década dos 40, sentiu que havia espaço para entrar e concorrer no mercado de canetas de maior valor. A primeira providência foi acompanhar os grandes fabricantes na produção de canetas para uso militar. Assim, apesar de não ser de fato uma caneta de luxo, ela começou a produzir canetas para este segmento, inicialmente com tampa de aço e clipe banhado a ouro e posteriormente com o clipe também de aço.  
 
7.1 – A Esterbrook Militar
 
Tem como características principais: clipe de 38mm de aço que atravessa todo o topo da tampa; 9 finas linhas horizontais que ocupam 1,2mm perto da borda da tampa; extremidade do corpo abaulada com terminação em aço; alavanca também de aço com o ponto de ação em forma de trapésio com um sulco no centro; mede 124mm de comprimento, 12mm de diâmetro na tampa e 11mm de diâmetro no corpo; traz escrito Esterbrook Made in USA no corpo. 
Com certeza foi fabricada em várias cores, mas só temos um conjunto de caneta e lapiseira, com o corpo na cor preta, conforme pode ser visto na foto a seguir: 
 
 
 
7.2 – A Esterbrook De Luxe
 
Concomitantemente com a produção da família J, a Esterbrook colocou no mercado, em 1949, o modelo chamado “De Luxe”, começando com a série SM, seguindo em 1955 com a LK. As duas têm tampas de aço, mas as similaridade terminam aí, como será visto a seguir 
 
7.2.1 – A Esterbrook SM
 
Foi fabricada em 6 cores conforme será mostrado a seguir e tem como características: tampa de aço lisa com a borda espelhada com o clipe de 33mm também de aço onde está escrito Esterbrook na horizontal; jóias na mesma cor da caneta (exceto a cinza que tem jóias pretas e a cor de areia que tem jóias marrom); alavanca de aço com o ponto de ação em forma de trapésio; mede 128mm de comprimento, 12mm de diâmetro na tampa e 11mm de diâmetro no corpo; o encaixe do corpo na tampa é feito através de um tipo de amortecedor que além de fixar o corpo a tampa, impede que a pena encoste no fundo da tampa.  
Na foto a seguir mostra-se as cores em que a SM foi fabricada: 
 
 
 
As cores mostradas na foto, iniciando na caneta à esquerda, são: 
 
     
  • SMA – Acqua – Cinza-esverdeado 
  • SMB – Black – Preta 
  • SMQ – Grey – Cinza 
  • SMS – Sand – Areia 
  • SMR – Maroon – Marrom – conjunto 
  • SMK – Midnight Blue – Azul-escuro – não mostrada 

 
É interessante observar que houve duas séries destas canetas SM. A primeira com a característica já citada de encaixe do corpo à tampa com travamento, e a segunda série onde se usou para prender o corpo à tampa o sistema de rosca. Ainda na segunda série a alavanca, na maioria dos exemplares analisados, tem o ponto de ação terminado em um semi-círculo e sua produção deve ter sido iniciada nos meados da década dos 1950  
A foto a seguir mostra na parte de cima, uma SM da segunda série e na parte de baixo uma da primeira. 
 
 
 
 
7.2.2 – A Esterbrook SK
 
O modelo SK difere muito do modelo SM. As suas características são: tampa de aço com finas linhas horizontais em toda ela, exceto na borda; clipe igual ao das SM; jóias planas de aço no topo da tampa e extremidade do corpo; alavanca de aço com o ponto de ação em forma de semi-círculo com um sulco no centro; mede 130mm de comprimento, 12mm de diâmetro na tampa e 11mm de diâmetro no corpo. 
Com certeza também foi fabricada nas 6 cores já citadas das SM, mas temos apenas três, nas cores vermelha, azul-escura e turquesa, que estão mostradas nas fotos a seguir: 
 

 
 

 
 
 
7.3 - A Phaeton 300 
 
A Esterbrook, na esteira do sucesso da Parker 51 com a sua pena oculta e sistema de enchimento aerométrico e da bela Parker 61 com sua flechinha na seção, tratou de colocar no mercado, provavelmente no final da década de 1950 o seu modelo Phaeton 300. 
 
Na foto a seguir são mostradas duas dessas canetas, com os corpos em cinza e azul. Na seção da cinza uma flecha de aço com duas pontas e na azul duas flechas se encontrando. 
 
 
 
Como pode ser observado a sua tampa é de aço com finas linhas horizontais. Na borda espelhada está escrito: Esterbrook – Made in USA.O clipe, também de aço, é liso. 
O mecanismo de enchimento é aerométrico em forma de U onde está escrito: Esterbrook – Press bar 3 times to flush and fill. Este mecanismo é na realidade um conversor, que pode ser removido e a caneta ser usada com cartucho. Uma foto deste mecanismo pode ser vista a seguir:
 
 
 
 
Mede 138mm de comprimento (praticamente do tamanho das Parker 51 e 61). Na foto a seguir são mostrados 3 duos de caneta-tinteiro e lapiseira nas cores vinho, azul e cinza. Com toda a certeza elas foram fabricadas ainda nas cores: preta e verde. Este modelo nos parece foi descontinuado rapidamente, pois não vimos nenhuma menção a ele na pouca literatura existente sobre as Esterbrooks.  
 

 
 
 
8 – A Esterbrook M2
 
 
As Esterbrook da série M2 foram lançadas provavelmente no final da década de 1950 e a sua característica principal é que o sistema de enchimento é do tipo aerométrico em forma de U, parecido com o usado pela Parker na 21, 51 Special e Demi. 
Sua tampa é de níquel cromado com um padrão de finas linhas horizontais e topo em forma de cunha. Se olhada de frente parece um M. 
Foi fabricada em diversas cores de corpos conforme a foto a seguir. Com certeza existem outras cores que não as mostradas. 
 
 
 
 
Catalogamos dois tipos de tampas. São praticamente iguais, mas como pode ser visto na foto a seguir, a de corpo na cor turquesa traz um clipe onde está escrito Esterbrook e nenhuma gravação na borda larga da tampa. A verde oliva não traz nenhuma gravação no clipe, mas na borda larga da tampa está escrito Esterbrook – Made in USA. 
 

 
 
A seguir uma foto do sistema de enchimento. Na guarda metálica está escrito: Esterbrook – Press Bar 3 Times to Flush or Fill. Qualquer semelhança talvez seja mera coincidência. 
 

 
 
9 - A Esterbrook 101
 
Também no final da década de 1950 a Esterbrook lançou os modelos 101, que são dois: o A-101 e o CA-101. A diferença entre eles é que o modelo A tem sistema de enchimento do tipo aerométrico e o CA por cartucho. 
 
A foto a seguir mostra os sistemas comentados, onde as seções superior e do meio são da CA e a inferior da A. 
 
 
 
 
A Esterbrook foi uma das primeiras fabricantes de canetas a usar cartuchos e sentiu a necessidade de buscar um cartucho "universal" que pudesse atender também outras marcas. Colocou no mercado um cartucho que ela considerou universal e criou uma série de adaptadores. Na foto a seguir é mostrada uma embalagem com esses cartuchos, não usados (evidentemente não tem mais tinta) e os seus respectivos adaptadores. 
 
 
 
 
Da esquerda para a direita os cartuchos 2 e 5, sem adaptador, eram para serem usados nas Esterbrook Dollar Pen. O cartucho 1 com adaptador vermelho para ser usado com as canetas Sheaffer Cartridge. O cartucho 3 com adaptador branco para ser usado nas Wearever Cartridge. Na posição 4 com adaptador na cor azul para ser usado nas 101 e Safari. 
 
Para a CA-101 ela também produziu cartuchos curtos chamados de Universal051 e que eram usados em duplas em contraposição. 
Importante salientar a CA-101 também funciona com cartuchos atuais longos da Parker e curtos da Parker e Sheaffer. 
 
 
 
9.1 - As Cores das Esterbrook 101
 
A 101 foi fabricada em 6 cores: laranja, azul pastel, azul-escura, preta, cinza e verde pastel. 
A foto a seguir mostra algumas dessas cores: 
 
 
 
Normalmente essas canetas aparecem com etiquetas adesivas na tampa informando o modelo e a bitola da pena.  
 
 
10 – A Esterbrook Safari
 
 
Também no final da década de 1950 a Esterbrook lançou uma nova linha com o nome de Safári. A característica fundamental é que a tampa é chanfrada. São conhecidos 3 modelos desta linha. O primeiro em cores únicas (mostrado na posição central da foto a seguir); usa cartucho e seus ornamentos são de níquel cromado. No clipe traz escrito Esterbrook. Teve vida curta, pois foi constatado que em virtude da fina espessura do plástico da tampa havia com freqüência a quebra ou o aparecimento de hairlines.  
A solução encontrada foi substituir a tampa de plástico pela tampa de metal, trocando o nome do modelo para Safári De Luxe. Foram mantidas todas as outras características, mas com clipe liso e na borda da tampa gravado: Esterbrook – Made in USA. Este modelo é mostrado na parte superior da foto a seguir.  
O terceiro modelo mostrado na parte inferior da foto, traz uma mudança radical no sistema de enchimento substituído por um parecido com o Touchdown da Sheaffer, chamado de Plunger-Fill .  
 

 
 
 
O sistema de enchimento Plunger-Fill mostrado a seguir é de operação simples. Basta desrosquear a tampa cega no sentido anti-horário e puxar. Aparece um tubo de náilon e com a pena mergulhada em um tinteiro empurrar a tampa cega. Esse modelo também teve vida curta. 
 

 
 
 
11 – A Esterbrook no Brasil  
 
É sabido que a Esterbrook teve uma fábrica no Brasil, mais específicamente no Rio de Janeiro. Não sabemos mais nada.  
Ao longo dos anos, fomos juntando algumas poucas que apareceram e hoje podemos dizer que temos um conjunto de canetas brasileiras, de tamanho igual aos modelos SJ e LJ, mas as cores são pastéis, como as Purse. 
 
11.1 – As Esterbrook SJ Brasileiras
 
Essas canetas são do tamanho das SJ, ou seja, 121mm de comprimento, 12mm de diâmetro na tampa e 11mm de diâmetro no corpo. No topo da tampa e extremidade do corpo jóias de plástico na cor preta. Clipe onde está escrito Esterbrook, anéis da tampa e extremidade do corpo e alavanca de aço. O sistema de enchimento é do tipo alavanca lateral e no corpo está gravado: Esterbrook – Ind. Brasileira.  
Pela foto a seguir percebe-se que as cores das canetas são pastéis e da esquerda para a direita: 
     
  • Vermelho escuro 
  • Azul claro 
  • Azul escuro 
  • Turquesa 

 
 
 
11.2 – As Esterbrook LJ Brasileiras
 
 
Essas canetas são do tamanho das LJ, ou seja, 127mm de comprimento, 12mm de diâmetro na tampa e 11mm de diâmetro no corpo. No topo da tampa e extremidade do corpo jóias de plástico na cor preta. Clipe onde está escrito Esterbrook, anéis da tampa e extremidade do corpo e alavanca de aço. O sistema de enchimento é do tipo alavanca lateral e no corpo está gravado: Esterbrook – Ind. Brasileira.  
Pela foto a seguir percebe-se que as cores das canetas são pastéis e da esquerda para a direita: 
 
     
  • Azul escuro 
  • Preta 
  • Azul claro 
  • Vermelha 
  • Turquesa 
  • Conjunto caneta e lapiseira cinza.
 
 

 
A primeira caneta que se vê à esquerda encontra-se numa condição Mint e ainda traz uma pequena etiqueta adesiva onde se lê: Esterbrook LJ - Pena Dura - Cr$ 345, - Pena Master - Cr$ 420,. 
 
11.3 – As Esterbrook LJ Aerométricas Brasileiras
 
 
Essas canetas são do tamanho das LJ, ou seja, 127mm de comprimento, 12mm de diâmetro na tampa e 11mm de diâmetro no corpo. No topo da tampa e extremidade do corpo jóias de plástico na cor preta. Clipe onde está escrito Esterbrook, anéis da tampa e extremidade do corpo e alavanca de aço. O sistema de enchimento é do tipo aerométrico e no corpo está gravado: Esterbrook – Ind. Brasileira.  
A foto a seguir mostra três canetas, nas cores preta, cinza e azul escuro. Mostra ainda os sistemas aerométricos adotados. Note-se que a caneta da esquerda tem a guarda metálica em aço e a mais a direita em preto fosco. Não existe nada gravado em nenhuma das guardas. 
 
 
 
Isso é tudo que temos hoje sobre a Esterbrook no Brasil. Com certeza é muito pouco, mas é um começo. Vamos tentar resgatar os caminhos da Esterbrook em nosso país. Vale ressaltar que a qualidade dessas canetas é muito boa e não perde para as americanas. Muitos colecionadores devem ter outras canetas Esterbrook brasileiras, de outros modelos, data em que a Esterbrook começou as atividades no Brasil e data em que as encerrou. Qualquer informação será muito bem-vinda. Os devidos créditos serão consignados. 
 
RICHARD ESTERBROOK 
 
Nasceu em Liskeard, Cornwall, England em 1813. Sua ocupação antes de ir para os Estados Unidos era ser proprietário de uma loja que comercializava material de escritório e canetas. Esterbrook chegou nos Estados Unidos em 1858 com seu filho e 10 artesãos ingleses. Construiu uma pequena fábrica em Camden, New Jersey, na esquina de Cooper Street e Delaware Avenue. A fábrica era a primeira deste tipo na América e a tecnologia para produzir penas de aço com qualidade mercadológica e consistência foi desenvolvida por Esterbrook e seus artesãos ingleses.  
 
Star Fountain Pen - junho de 2002 
Todas as canetas fotografadas fazem parte da coleção de Humberto Sanches  
Fotos por: Silvério Sanches III - filho querido e fotógrafo amador.  
Texto por Humberto Sanches  
Artigo revisado no Natal de 2004 - março de 2006 - setembro e dezembro de 2007 - setembro de 2011.
 
 
StarFountainPen.com.br ©2002-2017 - www.starfountainpen.com.br